sábado, 14 de agosto de 2010

breve reflexão

Só pra informar que a night ontem com o tal show de funk nao foi ruim. O show na verdade durou uns 40 minutos, de resto foi boate normal, e existe coisa melhor do que estar com os amigos? Parabens pra Mila, mais uma vez! E, sim, ressaca a parte eu adorei. Rumo a uma noitada mais light hoje. Infelizmente a dona da camera ainda não passou as fotos pro pc, e os sites de foto também nao se atualizaram. Só um... segue uma unica foto, por enquanto só pra constar.

Como não pude refletir do texto desse post na quarta, vai hoje mesmo. Parei no terceiro texto. O "cidade dos anjos". Aliás, se ele tem alguma ligação com o filme, sorry, não assisti o filme!
O texto inteiro diz coisas que devemos fazer mais, porque ficamos tão neuróticos com as coisas do dia a dia, que acabamos nos esquecendo do que realmente tem valor. Um eu te amo, por exemplo, ou mais tempo com a família.

Outro dia, caminhando pela praia estava pensando exatamente isso. Passei por um lugar onde há uns 6 anos eu e meu pai fomos passear, aproveitar um dia de folga. Sabe que nunca me esqueço desse passeio? Aliás como nunca me esqueço dos raros almoços onde conseguiamos reunir a familia toda de bom humor, como também não me esqueço das vezes que ficavamos lanchando na sala a noite, ou das vezes que brincavamos na cama dele, e eu roubava o lugar da minha mãe, deixando a furiosa. Também não me esqueço de todas as conversas que tive com meus pais, que na hora me pareciam verdadeiros sermões, e nem dos churrascos que aconteciam lá em casa. Nem das caronas que meu pai me dava, e nem das nossas brincadeirinhas. As brigas? Houveram brigas? Essas sim, fiz questão de apagar!!!
Acho até que já falei dessas cenas um milhão de vezes aqui, mas são memórias muito fortes e muito gostosas. Poderia ficar me lembrando disso e sentindo saudades todos os momentos da minha vida. Como diz naquela música "das lembranças que trago na vida, você é a saudade que gosto de ter, só assim sinto você bem perto de mim outra vez." Se Roberto Carlos é brega, foi mal. Sou brega assumida então, e entra até nesse texto isso...
MInha irmã vive ficando chocada comigo pelo meu gosto musical. Acontece que eu assumo realmente do que gosto. Gosto de Roberto Carlos, de vez em quando de um sertanejozinho, e até um pagode mais light. Sim, e por que não assumir? Eu falo pra ela e pra qualquer outro, que ela se choca por que não assume que gosta. A gente tem que ser livre e assumidos, sabiam? É!!! Sem preocupações do que vão pensar. Temos que ser autenticos, se não magoar ninguém, temos que falar o que pensamos, o que vem na cabeça. Mesmo que as vezes a gente pague alguns micos. E tem coisa melhor que lembrar desses micos? Eu, pelo menos, choro de rir lembrando dos meus.
E isso não se aplica só aos gostos musicais não. Se aplica a tudo, a cores, roupas, carros, amores, enfim. Tudo!!!

Mas, voltando a idéia central do meu post, que era a caminhada, fiquei pensando, papai sempre diz que queria voltar no tempo e poder fazer as coisas que faziamos mais vezes. Se eu falar que não gostaria, é mentira. Mas, sou completamente feliz correlação a isso, completamente satisfeita. Durou pouco? 22 anos! O conceito de muito ou pouco vai da cabeça de cada um. Pra mim durou o tempo suficiente pra ser inesquecivel. Se tivessem sido sempre todos esses momentos talvez não tivessem tido o mesmo valor, e nem seriam tão especiais.Quantidade não é qualidade!!!Como o texto mesmo diz Me chatearia e me deixaria ainda mais triste saber que deixei de dizer aos meus irmãos e “filhos”, com suficiente freqüência, o quanto amo todos eles. Sempre dissemos "eu te amo" lá em casa um pros outros, mas algumas vezes a frase foi dita com mais valor.

A segunda parte do texto nos diz pequenas atitudes que devemos ter pra não deixar a vida passar em branco, claro que nem todas eu consigo fazer todos os dias, infelizmente, mas muitas delas são essenciais pra mim. Muitas dessas atitudes estão incorporadas ao meu cotidiano, e principalmente a minha personalidade. Talvez por isso com o passar do tempo tenha me tornado uma pessoa tão atenciosa, como diz a minha vózinha. E talvez por isso esteja conseguindo reunir boas pessoas ao meu redor, e construindo sólidas amizades.

Recomendo a todos que façam o mesmo. Incorporem essas atitudes no dia a dia de vocês, e mais, vivam intensamente, nunca deixem de dizer o que tenham pra dizer aos outros, nunca deixem de manifestar o carinho que sentem pelas pessoas. Nunca esqueçam de fazer isso com qualidade, não somente por fazer, façam quando for sincero. E também, vivam sendo quem são, tentem melhorar os defeitos, mas nunca percam suas essencias, assumam seus gostos, sejam autenticos, espontaneos.
Durante muito tempo quis ser alguém que todos gostassem, hoje faço o caminho inverso, tento ser alguém que eu goste, e espero que gostem de mim assim, mas não posso mudar minha essencia, não posso fingir ser quem não sou pra agradar ninguém, pois logo as máscaras vão cair!!!

E pra terminar... a frase final do texto, fica sendo a minha frase final!
Lembre-se que o melhor relacionamento é aquele em que o amor entre duas pessoas é maior do que a necessidade que elas têm uma pela outra. "
beijos!

6 comentários:

Dora Regina disse...

A última frase da postagem, valeu por todo texto.
Linda e verdadeira!
Um super abraço!!!

Chica disse...

Adorei tuas reflexões nessa caminhada...uma linda semana,tudo de bom,chica

Chica disse...

Opos, esqueci de mandar os beijos,rsrs

Simone Scharamm disse...

Oi, Paulinha,
Tá tudo ficando bem de novo, por aqui.
Bom ver que você está se divertindo! Quanto a se aceitar e ser autêntica, você está certíssima! Brega é fingir que gosta de alguma coisa, só porque é modismo!rsrs!
Deixo um beijo pra você e outro pra Dudinha. Tenha uma ótima semana!

Jeanne disse...

Paulinha, quanta sabedoria hein?
Gostei de ler, tem um monte de verdades aí. Quem se preocupa demais em agradar os outros fica infeliz...
Beijos

Néia (Dulci) disse...

Essa questão de falar muito é uma fase, chega um tempo - estou falando de carteirinha - em que a gente pensa um pouco mais antes de dizer o que pensa. E, principalmente, as crianças, não se preocupe com sua filha, na idade dela é normal mesmo falar muito, é uma forma de chamar a atenção para si. Meu filho, nessa idade, era um papagaio, não parava de falar um minuto, hoje,com 21 anos é completamente diferente. Beijos