quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Ufa!!! Consegui!

Falei que as quartas ia ecrever reflexões sobre os textos que postei nesse post. E até então, nunca dava pra eu conseguir. Hoje está dando!!!! hehehe
Estou no segundo texto, onde a família deve escolher entro o amor, o exito ou a riqueza para entrarem em sua casa. Obvio que a primeira coisa que foi pensada foi em deixar a riqueza entrar.

E de que vale a riqueza sem o resto? Riqueza é sinal de sucesso? Talvez sucesso profissional, ou talvez sucesso em herdar algo de alguém, ou em alguns casos específicos, em "tomar" algo de alguém. Mas, sucesso "interior", satisfação pessoal, exito, não são sinais da riqueza. Claro, que se você tem uma familia feliz e tem dinheiro pra poder satisfazer os caprichos e mimos pra essa familia, ótimo. É um "plus", mas não é o essencial, não.
E o exito? Exito ai, também entra como sucesso, no meu ver. De que adianta ter sucesso, sem ter com quem partilhar? E de que adianta você ser super bem sucedido, super realizado se não colhe frutos, se não consegue tirar seu sustento dali?

E ai vem o amor. Nesse caso, não se trata do amor, homem e mulher, o amor "carnal", mas sim do amor na sua maneira mais simples e pura. De que vale a vida se não se tem amor??? Posso dizer isso, com muita certeza, pois graças a Deus, e a mim também (rs) nunca me faltou amor. Desde o dia em que cheguei a este mundo fui coberta de amor, principalmente da minha família. Embora eu ache que tenha sido uma criança "equisita" eu sempre tive amor. QUando criança não tinha muitos amigos, já disse isso antes. Nunca pertenci de fato ao mundo que fui criada. Mas, um pouco mais velha, achei meu lugar e fui encontrando amigos de verdade. E hoje tenho também o amor deles. Amor homem e mulher também já senti, e também sei que já sentiram por mim. (estou só numa fase temporariamente fora da area de cobertura pra essas coisas, deixa pra lá!)
E quando se encontra o tal amor, quando se vive num lar de amor, como eu vivi, mesmo que tivesse problemas ( no meu tinha, um montão) tudo é mais fácil, tudo se encaixa, tudo se acomoda, pra tudo se tem uma solução. Aliás, vou corrigir, eu vivo hoje num lar de amor, por que o meu amor e o da Duda ele exala... ele fica nítido por ai. Pena que somos só nós, não é que falte alguém não. QUer dizer, até falta, mas não é uma condição obrigatória pra gente ser feliz. Já somos felizes nós duas, seria apenas um complemento.


O amor não é a solução dos problemas, não. Se não não existiriam os amores doentios, os amores dependentes. Mas, o amor, é a ajuda pra resolver as situações. O amor é o colo pra gente. Pra gente encostar ali e lado a lado achar a saída, encontrar o caminho. O amor é muito bom, e que triste é uma vida sem amor. QUantas pessoas são criadas sem amor e viram esses monstros que vemos ai hoje, que matam e ferem sem nenhum forte motivo.
Quem tem amor, consegue enxergar as coisas de maneiras bem diferentes. Consegue ver beleza onde não tem, consegue achar forças quando se sente fraco, e consegue ser feliz com pouco. Quem tem amor, consegue ver as coisas mais simples e puras da vida. Consegue amar o feio, consegue ver coisas boas onde aparentemente não há. Consegue o perdão. O perdão de si próprio e dos outros, e para os outros.


Desviei do texto... Mas, resumindo e concluindo: Quando se ama, o resto vem junto, o resto acompanha. Não to aqui dizendo que todo mundo que tem amor vai ser rico e vai ter sucesso. Não é desse tipo de riqueza que falo. É da riqueza espiritual, da riqueza de valores, de sentimentos. E o sucesso, a satisfação vem junto com isso tudo. Um lar sem amor é triste.
Amem, amem e amem muito, a si proprio e aos seus, e aos outros! E amem a vida também. Amem! Amém!

9 comentários:

Bordados e Retalhos disse...

Paula de alguma maneira nossos posts se entrelaçam. Lindo esse seu texto e suas reflexões tão verdadeiras. Bjs querida

Juliana Nascimento disse...

Oie Paulinha!
Linda e verdadeira sua reflexão sobre o amor...
Li seu post anterior sobre seu pai fiquei emocionada... eu queria muito sentir esse amor e ter essa proximidade com meu pai. Meus pais tbm se separaram e eu, ao contrario de vc,não consegui superar isso muito bem não, mesmo já sendo adulta.Hoje somos como estranhos um para o outro.Esse vai ser o segundo dia dos pais que não troco nem uma palavra com o meu. Gostaria muito que meu pai fosse tão amoroso quanto o seu...
Por isso, mesmo distante, agradeça e fique feliz por saber que o amor de vocês dois, vai além e supera qualquer distancia física.
Bjão pra vc!

Simone Scharamm disse...

Oi, Paulinha,
seus dois textos são comoventes. Esse que fala do amor e o que fala sobre seu pai. Estou um pouco triste, mas estou por aqui. Fazendo força pra ficar tudo bem!
Beijo no coração!

Néia (Dulci) disse...

O amor faz com que suportemos os contratempos com mais força e nos impulsiona a tentar sempre de novo, não desistir nunca, é a escora que não deixa o teto cair! bjos.

Marrentinha... disse...

Ahh agradeço o comentário carioquinha... e pode ter certeza que sempre que possível estarei aqui lhe perturbando um pouquinho rs

Quanto ao amor... Ahhh o amor rs
Nem preciso dizer nada né? amar é bom demais... amar é tudo... é sentir borboletas no estomago, faltar o ar, sentir calafrios e sentir calor ao msm tempo... rs

Realmente sem amor... nem vida temos...
beijinhos

Chica disse...

Paulinha, que maraviilha de mensagem essa.É isso mesmo,adorei!beijos e que pena que a passagem não veio...chica

Barbie Girl disse...

Por isso que o amor me acompanha, faz parte de mim e sem ele não vivo!!

Amor é fundamental para quem quer viver feliz!

Beijos

Desconstruindo a Mãe disse...

Amor é bom e, se é saudável, espalha ainda mais fagulhas de amor... Contagia!

O que está acontecendo, sumidinha?
Nossos papos pelo msn rarearam... Deves estar amando muito!!!

Beijo!
Ingrid

Jeanne disse...

É o amor que nos humaniza tanto, nos eleva e ajuda na evolução espiritual.
Inspirada hoje, Paula,rsrs
Lindo texto!
Beijos